Para EdiçãoPós-ProduçãoYouTube

5 Etapas Básicas de Como Editar Vídeos da Forma Correta

Conheça alguns conceitos básicos sobre como editar vídeos online de forma correta, objetiva e profissional.

Editar vídeos vem sendo um requisito praticamente obrigatório para todas as pessoas que desejam postar conteúdo nas redes sociais.

Sejam por diversão, para promover um produto ou serviço, vender uma imagem como influenciador(a) digital ou qualquer outro motivo que envolva a postagem de vídeos, ter um conhecimento básico sobre arquivos de vídeo, cortes, transições e exportação é de extrema importância.

Existem dezenas de aplicativos e programas para edição disponíveis no mercado. Pagos, gratuitos, níveis básicos, intermediários e avançados, com recursos profissionais e básicos e assim por diante.

A escolha do tipo de processo de edição, o formato, o programa e a forma de publicação caberão a cada pessoa conforme suas necessidades de publicação.

Sendo assim, vamos explorar neste artigo as 5 etapas básicas usadas sobre como editar vídeos para o YouTube e outras plataformas digitais.

O Que É Edição Linear e Não-Linear?

Edição linear é um processo de edição mecânico e defasado atualmente onde eram utilizadas filmadoras, VCRs, entre outros equipamentos, sendo a execução dos cortes do material bruto gravado feitos de forma linear, ou seja, obedecendo uma ordem sequencial.

Já a edição não-linear, muito utilizada atualmente, é feita praticamente 100% no formato digital através de avançados programas de edição como Apple Final Cut Pro, Adobe Premiere Pro e DaVinci Resolve e pode ser montada em uma ordem aleatória a partir da combinação dos arquivos de áudio e vídeo, permitindo maior liberdade de criatividade ao editor, economia de tempo de edição, menos mão-de-obra e entrega mais rápida do trabalho final com menor espaço para erros.

“Na edição não-linear, você se surpreenderá com a quantidade de combinações de takes que terá em mãos para contar a sua história.”

Quais são as etapas que devo seguir para começar o processo sobre como editar vídeos?

Além das 5 etapas que abordarei aqui, é importante ressaltar que a edição de vídeo envolve diversos aspectos como entender o funcionamento do programa escolhido para editar, o contexto que vídeo deverá apresentar após editado, aplicar a dose exata de ritmo e progressão do vídeo, conhecer alguns termos familiares ao processo de edição como corte, renderização, plano de imagem, zoom in e zoom out, entre outros.

Aqui mostrarei as 5 etapas que ajudarão a esclarecer de forma mais simplificada como editar vídeos do zero!

Lembrando que, cada pessoa possui seu próprio método e costume de como editar vídeos e iniciar o processo de criação de cada vídeo.

Com o tempo você irá adaptar a sua forma de editar seus projetos conforme for adquirindo prática.

1. Transferência do material bruto

Para começar o processo de edição de forma não-linear, você deverá primeiramente transferir todo o material bruto para o computador e fazer o backup dos arquivos em um outro HD (externo ou interno) para que possa recuperar os arquivos caso sejam perdidos do HD original por algum motivo.

Ao transferir, é fundamental organizar todos os arquivos em pastas dentro do computador, ainda mais quando houver material bruto de mais de uma câmera e/ou se os arquivos de áudio foram gravados separadamente da câmera.

Você poderá nomear as pastas como VÍDEOS BRUTOS, ÁUDIOS, IMAGENS GRÁFICAS, EFEITOS SONOROS, FOTOS, ETC…

Ao importar esses arquivos para o programa de edição, procure manter também os arquivos separados dentro de pastas para melhor identificação do conteúdo. Veja um exemplo:

Tabela de etapas de edição

2. Seleção do material gravado

Assista todo material gravado e anote a minutagem dos trechos mais importantes de cada arquivo bruto.

Esse processo, também chamado de decupagem, é a fase de escolha do que será utilizado no vídeo final e o que será descartado.

Alguns editores preferem decupar assim que o material bruto já estiver importado dentro do programa de edição. Nesse caso, fica a critério de cada editor realizar o processo da maneira que se sentir mais confortável, seja antes ou depois da importação.

3. Edição e cortes

Nesta etapa, você fará a edição propriamente dita, ou seja, o que podemos chamar de “colagem” dos trechos selecionados na etapa de decupagem.

Após a seleção dos trechos dos arquivos brutos (se feita fora do programa de edição), você precisará importar os arquivos que irá usar na edição (vídeo bruto, áudios, imagens, etc…) para dentro do programa.

Ao importar, organize todos os arquivos em pastas e sub-pastas conforme sua necessidade. Assim, você verá que ficará mais fácil localizar todo o conteúdo durante a edição.

Ao importar, você começará a montar as peças do quebra-cabeça, ou seja, deverá “colar” as imagens na timeline para que seu vídeo comece a tomar forma.

Aqui, você deverá fazer também a sincronia de áudio e vídeo (caso tenham sido gravados separadamente), a montagem das partes na sequência que desejar para que seu vídeo tenha ritmo e lógica construtiva através dos cortes propriamente ditos.

O tipo de corte mais comum utilizado na edição é o corte “seco”, onde não há uma transição entre dois trechos.

Mas no caso do uso de transições, as mais comuns são o fade-in, fade-out e fusão (chamada de dissolve em inglês), quando uma imagem se sobrepõe levemente sobre a outra, causando um efeito de transição suave.

Cada programa de edição dispõe de diferentes tipos de transições sobre como editar vídeos. Contudo, na maior parte das vezes, sugiro que utilize os cortes secos (onde não há efeito de transição de um trecho do vídeo para o outro) deixando o vídeo mais simples e dinâmico. Mas isso irá variar conforme suas necessidades!

4. Ajustes adicionais

Logo após a edição, você deverá fazer os seguintes ajustes (não necessariamente nessa ordem):

5. Renderização e exportação do vídeo final

Na última etapa, após a realização de todos os ajustes, você deverá renderizar e exportar seu vídeo, ou seja, fazer com que o programa de edição processe todos os efeitos e transições na timeline (renderização) e crie um arquivo digital único no formato que desejar (exportação).

São dois processos distintos que exigem um alto desempenho do computador, ainda mais se o vídeo estiver gravado em Full HD ou acima (2K, 4K, etc..), conter diversos efeitos visuais, gradação de cores pesadas, entre outros fatores.

Cada programa de edição possui seu próprio sistema de como editar vídeos e renderizar, mas, basicamente, é um atalho de menu que irá mudar de um para o outro.

Após renderizar o áudio e o vídeo, chega a hora de exportar o material.

Formatos de exportação de vídeos

Existem diversos formatos de vídeos que você poderá optar, entre eles os mais populares:

Se você pretende entender sobre exportação e como editar vídeos para o YouTube, o formato recomendado é o MP4 enquanto o Vimeo suporta formatos como mp4, mov, wmv, avi e flv.

Tipos de cortes e transições de vídeos

Em relação às transições mencionados na 3ª etapa, as mais utilizadas são:

Corte seco

A cena “A” é precedida imediatamente pela cena “B”.

Como editar vídeos: exemplo de corte seco

Fade-in/fade-out

Ao iniciar uma cena, ela começa escura até seu total surgimento (fade-in) e, ao término de uma outra cena, esta começa a escurecer (fade-out).

Como editar vídeos: exemplo de fade in e fade out

Dissolve

Entre a cena “A” e a “B”, existe uma leve transparência de ambas as imagens criando um efeito de passagem de tempo.

Como editar vídeos: exemplo de transição dissolve

Sobreposição de duas imagens

Onde a imagem “A” é sobreposta sobre a imagem “B”, fazendo com que ambas apareçam juntas, sendo a que estiver acima da outra tenha uma opacidade de 50%.

Como editar vídeos: exemplo de sobreposição de duas imagens

O papel do editor ou montador (termo utilizado no cinema) é de extrema importância para que o vídeo fique com sentido, ou seja, tenha um significado mediante a sequência das imagens escolhidas.

Após a primeira edição (também conhecido como primeiro corte), você deverá avaliar todo vídeo para ver se existe a necessidade de incluir novos elementos, extrações de trechos repetitivos, mudança na ordem das cenas, entre outros ajustes conforme especificados na quinta etapa.

Revisão do conteúdo de edição

Conheça estas 11 dicas finais para aproveitar ao máximo seu processo de edição e obter resultados ainda mais profissionais:

  1. Não se prenda por qual cena começar. Inicie o processo de edição pelo take que achar mais conveniente e vá acrescentando as peças do quebra-cabeça gradativamente. Claro que, se puder começar a partir da primeira cena gravada de acordo com seu roteiro, melhor.

 

  1. Mantenha o ritmo da edição de forma constante. Cortes muito rápidos ou takes muito longos podem ser cansativos, dependendo do conteúdo. Contudo, o objetivo de seu vídeo é que irá ditar a duração de cada corte.

 

  1. Ao terminar o primeiro corte, assista. Se notar que as cenas estão longas ou curtas demais, procure ajustar sem perder o contexto.

 

  1. Certifique-se que o conteúdo todo tem começo, meio e fim bem definidos. É comum não notarmos essa diferença quando gravamos o próprio vídeo não exatamente na ordem que ele deverá ser apresentado.

 

  1. Faça o bom uso das transições. Transições que escurecem ao final do take denotam término do assunto enquanto transições do tipo “dissolve” indicam passagem de tempo. O uso inadequado ou excessivo de transições pode cansar quem assiste.

 

  1. Ao editar um vídeo com áudio, procure utilizar fone de ouvido para um melhor controle da intensidade do volume. É comum entregarmos o vídeo final com o áudio parcialmente equilibrado em termos de volume ao editarmos ouvindo apenas o som das caixas embutidas do computador.

 

  1. Evite deixar a trilha sonora (quando houver) mais alta do que a voz do interlocutor e certifique-se de toda(s) a(s) trilha(s) de áudio do vídeo não esteja(m) “estourando” ou baixa(s) demais.

 

  1. Espaços indesejados de áudio “em branco” podem não fazer sentido ao vídeo. Atente-se para estas pequenas falhas nas trilhas sonoras.

 

  1. Procure utilizar efeitos sonoros (se necessário) com moderação para não distrair quem assiste.

 

  1. Ao término da edição, revise a sincronia de áudio e vídeo para verificar possíveis erros.

 

  1. Procure fazer pausas de 10-15 minutos a cada hora de edição.

Conclusão

A busca pela atenção no ambiente digital é alta e continua a crescer cada dia.

Existem milhares de vídeos na Internet que as pessoas também podem estar interessadas e não apenas o seu.

Por isso, faça da edição uma etapa tão importante quanto a pré-produção e a produção e aproveite ao máximo para criar um conteúdo objetivo, informativo e que traga valor e clareza para sua audiência.

Fluxo de edição

Ciclo da pós-produção

Aprenda a Criar Seus Próprios Vídeos de Maneira Profissional Hoje Mesmo!

Deixe seu comentário
Pular para o conteúdo